Notícias


22/07/2017 - 09:33:36
Postado por: Maira Kempf

Ré no Caso Bernardo tem pedido de separação do julgamento negado pela Justiça do RS




Defesa de acusada de participar da morte de Bernardo Boldrini solicitou julgamento em separado

A Justiça negou o pedido de cisão processual da defesa de Edelvânia Wirganovicz, umas das quatro acusadas pelo homicídio qualificado de Bernardo Boldrini, em abril de 2014. Ela pedia para ser submetida a júri popular em separado dos demais réus – o pai do menino, Leandro Boldrini, a madrasta, Graciele Ugulini, e seu próprio irmão, Evandro Wirganovicz. Os quatro estão presos.

O pedido foi negado pela juíza Vivian Feliciano, por considerar que o processo que apura a morte do menino Bernardo deve ser julgado em conjunto para "evitar decisões conflitantes e facilitar a apreciação da prova pelo Conselho de Sentença".

A magistrada também comentou a alegação da defesa de Edelvânia, de excesso de prazo processual. "A tramitação envolvendo réus presos é célere e respeita o regular andamento processual, no caso em específico, o processo aguarda a preclusão da decisão de pronúncia - especialmente, considerando-se o efeito extensivo do recurso especial pendente de decisão", afirma a juíza.

 

Como está o andamento do caso na Justiça

Desde abril de 2014, os quatro réus estão presos e, atualmente, aguardam julgamento de recurso no Superior Tribunal de Justiça (STJ). Em agosto de 2015, o juiz Marcos Luís Agostini sentenciou Leandro Boldrini, Graciele Ugulini, Edelvânia Wirganovicz e Evandro Wirganovicz a julgamento popular, pelo homicídio de Bernardo Boldrini.

Conforme denúncia do Ministério Público, eles responderão pelos crimes de homicídio quadruplamente qualificado (Leandro e Graciele), triplamente qualificado (Edelvânia Wirganovicz) e duplamente qualificado (Evandro), ocultação de cadáver e falsidade ideológica (neste caso, só Leandro Boldrini).

Com exceção de Edelvânia, os réus recorreram da decisão, que foi mantida pela 1ª Câmara Criminal do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJRS).

 

O que apontou a investigação

 

No dia 4 de abril de 2014, Bernardo Boldrini, então com 11 anos de idade, foi dado como desaparecido. Dez dias depois, o corpo do menino foi encontrado envolto em um saco plástico e enterrado em um buraco na área rural de Frederico Westphalen.

Segundo a investigação da Polícia Civil, ele morreu em razão de uma superdosagem do sedativo midazolan. Graciele e Edelvânia teriam aplicado o medicamento que levou o garoto à morte.

Depois, as duas teriam recebido ajuda de Evandro para cavar a cova e ocultar o cadáver. A denúncia do Ministério Público ainda apontou que Leandro Boldrini foi o mentor do crime.

 

*Fonte: G1 RS

Mais Notícias

Enquete ver parcial

O Brasil está fora da copa, e agora?

E-mail: [email protected]

Fone: (55) 3781-1255

Endereço: Pe. Roque Gonzáles, 08, Centro

Santo Augusto | RS | Brasil | 98590-000