Brasil
Luis Macedo/Câmara dos Deputados

Câmara altera três pontos da reforma da Previdência; votação de destaques continua nesta sexta-feira

12 de julho de 2019 Texto-base foi aprovado pelos deputados, por 379 votos a 131, na última quarta-feira!


Curta e Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

Após aprovar o texto-base da reforma da Previdência em primeiro turno, por 379 votos a 131, o plenário da Câmara dos Deputados segue a discussão sobre os destaques — sugestões de mudanças na redação da proposta de emenda à Constituição (PEC).

Os parlamentares começaram a discussão na quinta-feira (11) e, desde então, três destaques foram aprovados, suavizando regras para mulheres e policiais e diminuindo o tempo mínimo de contribuição para homens. Uma nova sessão foi marcada para esta sexta-feira (12).

A expectativa é de que oito destaques sejam votados. Entre eles, o que trata sobre aposentadoria dos professores — uma emenda apresentada pelo PDT propõe reduzir a idade mínima para 55 anos no caso dos homens e 52 anos no caso das mulheres da categoria.

Veja os destaques que já foram aprovados:

Cálculo de aposentadoria para mulheres 

  • Por 344 a 132, foram aprovadas regras mais vantajosas na aposentadoria de mulheres. Com a alteração, trabalhadoras da iniciativa privada podem receber 100% do benefício após 35 anos de contribuição. Na proposta original do governo, mulheres teriam de cumprir 15 anos de período mínimo de contribuição e receberiam o valor total da aposentadoria após 40 anos.

Cálculo de aposentadoria para homens

Policiais federais 

  • A Câmara aprovou, por 467 a 15, regras mais brandas de aposentadoria para profissionais de segurança pública que já estão na ativa. A mudança no texto beneficia policiais federais, policiais rodoviários federais, policiais legislativos, policiais civis do Distrito Federal e agentes penitenciários e socioeducativos. Para quem já está na carreira, a idade mínima de aposentadoria ficou em 53 anos, se homem, e 52 anos, se mulher, além da previsão de um pedágio de 100% — ou seja, se faltam dois anos para se aposentar, o policial teria que trabalhar mais quatro anos. No entanto, a idade mínima para que ainda vai entrar nessas carreiras permanece em 55 anos — como desejava inicialmente o governo. Hoje, não há idade mínima para que policiais entrem na inatividade, mas sim uma exigência de 30 anos de contribuição, se homem, e 25 anos, se mulher.

 

*GaúchaZH

Os comentários estão desativados.

error: Conteúdo protegido !!!