Geral

Comunidade fez última homenagem a Bernardo Boldrini

18 de março de 2019 Momento de oração antecipou retirada dos cartazes da frente da residência


Curta e Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Quem esteve em Três Passos nos cinco dias do julgamento dos réus do Caso Bernardo foi surpreendido pelo comportamento da comunidade.

Nas demais etapas do processo, eram comuns muitas manifestações, mas desta vez, as pessoas saíram às ruas somente no final da tarde de sexta-feira.

De diferentes idades, vestindo camisetas personalizadas e carregando cartazes com frases de saudade da criança as pessoas se concentraram em frente ao Fórum. Após a divulgação da sentença, realizaram uma caminhada pelas ruas de Três Passos em direção a casa onde o menino morava. Ele foi assassinado em abril de 2014.

Em frente à residência de classe média alta localizada na Avenida Gaspar Silveira Martins, um momento de oração com muita emoção marcou a retirada dos cartazes que tomavam conta das grades: – A justiça foi feita, não queremos que esse local vire um ponto de peregrinação, disse uma das participantes do ato.

Carlinhos, marido de Juçara Petry, tido como pai por Be, com quem inclusive ele pediu para morar, com olhos marejados falou: É para lembrar o Be, e também um pedido de desculpas por não termos feito mais por ele. Agora o Be pode descansar em paz, disse.

Após a sentença, os condenados saíram do fórum em duas viaturas da SUSEPE em direção aos presídios que por mais alguns anos serão suas únicas moradias. Evandro foi o único que conseguiu o semiaberto. Populares que se aglomeravam em frente ao prédio gritavam “assassinos”.

Após cinco dias de julgamento, o Conselho de Jurados entendeu que todos os réus são culpados. A Juíza Sucilene Engler condenou o pai, médico Leandro Boldrini a 33 anos e oito meses de prisão, a enfermeira e madrasta Graciele Ugulini a 34 anos e sete meses. A amiga da madrasta, Edelvânia Wirganovicz foi condenada a 23 anos e seu irmão, Evandro Wirganovicz a nove anos e seis meses. Para a comunidade, a sentença foi branda, mas fez justiça ao menino de 11 anos morto com superdosagem de midazolam, após ser inocentemente enganado.

Os comentários estão desativados.

error: Conteúdo protegido !!!