Geral

Funai e MPF renovam pedido de intervenção na Reserva Indígena do Guarita

8 de novembro de 2019 A primeira solicitação da Funai para intervenção na reserva foi feita em 21 de outubro e até hoje não teve resposta por parte da equipe do ministro Sergio Moro!


Curta e Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

A Fundação Nacional do Índio (Funai) acaba de renovar junto ao Ministério da Justiça o pedido de intervenção federal na Reserva Indígena do Guarita, a maior do RS, que reúne 7 mil caingangues e cerca de 800 guaranis. Índios que residem na área bloquearam a RS-330, rodovia que liga as cidades de Miraguaí, Redentora e Tenente Portela. Eles protestam contra a não resolução de um conflito interno na tribo que levou à morte de um indígena e aos ferimentos registrados em outros três, na tarde de quinta-feira (7) – motivo maior do pedido para que a União interceda no conflito.

Os quatro indígenas foram baleados na guerra entre grupos de apoio ao cacique Carlinhos Alfaiate e ao vice-cacique Vanderlei Ribeiro, o Vandinho, que brigaram pelo controle da Reserva da Guarita. É um conflito por poder. O chefe das aldeias tem a última palavra sobre cerca de mil cargos na reserva, entre professores, servidores de postos de saúde e empregados de frigoríficos. A escolha passa por ele. Além disso, metade dos 24 mil hectares da área indígena é destinada à lavoura – e os caingangues costumam arrendar essas terras para brancos plantarem, ilegalmente. Recebem, em troca, comissão. Tudo isso está em jogo na disputa entre os dois chefes.

A primeira solicitação da Funai para intervenção na reserva foi feita em 21 de outubro e até hoje não teve resposta por parte da equipe do ministro Sergio Moro. Caso seja atendido, o pedido resultará na destituição do cacique e do seu vice. Um interventor seria nomeado pela Funai, talvez um militar. Isso já aconteceu em outros locais do país.

O Ministério Público Federal (MPF) também renovou pedido de intervenção, feito no mesmo dia em que a Funai protocolou o seu. A preferência dos procuradores da República é por uma ação disciplinatória por parte da Polícia Federal, com prisão de responsáveis pelos frequentes tiroteios entre grupos rivais de índios.

Gaúcha ZH

Deixe seu comentário

error: Conteúdo protegido !!!