Geral

Produção de arroz deve reduzir 1,2 milhão toneladas no RS

13 de janeiro de 2016


Curta e Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A influência do fenômeno meteorológico El Niño no período de semeadura e no desenvolvimento da safra 2015/16 de arroz, deve causar uma redução de aproximadamente 1,2 milhões de toneladas no Rio Grande do Sul, maior estado produtor do país.

 

De acordo com a primeira estimativa Irga (Instituto Rio Grandense do Arroz) aproximadamente 33 mil hectares (3%) tiveram perda total, e outros 101.065 hectares restantes ainda estão sob avaliação na medida em que reduzem os alagamentos. Nestas áreas, é possível que ocorra redução entre 20% e 60% na produtividade, já que lixiviação levou boa parte dos nutrientes da terra.

 

“A perspectiva é que a média das lavouras passe de  7,5 mil quilos por hectare – o rendimento do ano passado – para 7,1 mil kg/ha. Isso somado a área que não será colhida, nós teremos uma quebra de safra superior a 1,2 milhões de toneladas", destaca o presidente.

 

A região mais atingida pelas enchentes foi a Depressão Central, em que 74.197 hectares dos 142.991 hectares plantados foram atingidos em 1.145 lavouras, o que equivale a 51,9% da área. A estimativa de perda nesta região é de 10% da área ou 14.288 hectares.

 

Essa quebra é equivalente a produção de países como a Argentina, por isso tudo indica que os preços serão firmes para o arroz em casca esse ano no Estado, e que a produção não deve ser maior do que 7,4 milhões de toneladas. Segundo Dornelles essa é o menor rendimento em cinco anos.

 

"Nós acreditamos que agora na próxima semana os negócios comecem a se intensificar, com uma leitura melhor sobre oferta e demanda do próximo ano", ressalta. A safra 2015/16 deve registrar oferta ajustada em todo o Mercosul. Vale lembrar que somente de exportações o Brasil já exportou 1,2 milhão de toneladas e ainda restam mais dois meses para o fim do ano comercial.

 

O preço praticado hoje gira em torno dos R$ 41,00 sacas, e apesar de parecer atrativos, não tem sido remuneradores em uma temporada marcada por elevados custos de produção e quebra de safra. "Para se ter uma margem mínima o produtor precisa começar a vender acima dos R$ 45,00/sc", considera Dornelles.

 

Para evitar a descapitalização do setor, as entidades responsáveis estão em conversa com o Governo Federal para conseguir a renegociação da divida dos produtores afetados, aplicação de recursos para apoio a negociação, e a garantia de capital no pré-custeio.

 

Dpto de Jornalismo RQ

Fonte: Notícias Agrícolas

Postado Por: Ed Jr (Goianinho)

Os comentários estão desativados.

error: Conteúdo protegido !!!