Santo Augusto
Foto: Arquivo RQ

Vereadores decidem pelo arquivamento da denúncia que pedia cassação do mandato do vereador Bin

11 de fevereiro de 2020 Sessão com a votação foi realizada na noite de ontem!


Curta e Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

 

Foi realizada na noite de segunda-feira, 10, a nova sessão de votação sobre o recebimento ou arquivamento da denúncia que pedia a cassação do mandato do vereador Douglas de Almeida Bertolo – Bin.

A questão envolve o episódio ocorrido em novembro de 2018, quando o então presidente da câmara, vereador Bin, proferiu palavras ofensivas e de baixo calão durante uma sessão. Na época, os vereadores analisaram a denúncia e decidiram pelo arquivamento da mesma, porém, a sessão teve que ser refeita por determinação judicial.

O presidente da Câmara de Vereadores de Santo Augusto, Irani da Rosa, colocou o assunto em pauta na sessão dessa segunda-feira, 10.  O presidente também determinou que a sessão não tivesse o grande expediente e não fosse transmitida pelo rádio. A reportagem questionou o presidente da casa sobre o motivo dessas decisões, e, segundo o mesmo, “o grande expediente foi suprimido pelo falecimento do familiar de um vereador”. Um vereador consultado pela reportagem disse que não havia sido informado que esse assunto estaria em votação nessa segunda-feira.

Como foi a votação

Os vereadores Horácio, Janete, Valdez, Bidinha e Ultramar votaram pelo arquivamento da denúncia. O vereador Josias votou a favor do prosseguimento da mesma. Os vereadores Irani e Bin estavam impedidos de votar. O vereador Joelzinho não compareceu na sessão, devido ao falecimento de um familiar.

Entenda o caso

Na época, o pronunciamento em tribuna do vereador Douglas gerou um requerimento protocolado pela ex-vereadora Dione Dagmar Sperotto, que pedia a cassação do mandato do vereador em questão por quebra de decoro parlamentar. Relembre aqui!

A votação para aceitação ou não da denúncia terminou com o arquivamento da mesma. Porém, o MDB entendeu que o vereador Bin não poderia ter presidido os trabalhos, tão pouco, votado – o que aconteceu -, já que era objeto da denúncia, e entrou com recurso.

Em julho de 2019, a justiça determinou o desarquivamento da denúncia e a realização de nova votação sobre o recebimento ou arquivamento da denúncia. Dessa decisão, cabia recurso. No final do último mês de janeiro, o desembargador Irineu Mariani julgou o caso e também determinou a realização de nova sessão.

 

 

*Matéria alterada para acréscimo de informação ( resposta do presidente da casa) às 19 horas!

 

Deixe seu comentário

error: Conteúdo protegido !!!