Notícias

04/12/2018 - 15:01:58
Postado por: Redação

Reitora do IFFar diz que foi mal interpretada por vereadores e que há pressa para compra da área agrícola




Em entrevista, reitora também afirmou que a área precisa ser o mais próxima possível do campus!

Dúvidas ainda pairam, curiosamente, muitas advindas de pessoas com bastante instrução, em relação à importância da área agrícola – em torno de 25 hectares - para a continuidade do curso de agronomia no Instituto Federal Farroupilha campus Santo Augusto. 

Desde o mês passado, uma verdadeira novela de cunho político se desenrola envolvendo a questão da área, necessária para dar prosseguimento com qualidade ao curso de agronomia. Em setembro um projeto do Executivo foi encaminhado ao Legislativo, no qual se pedia autorização para venda de bens inservíveis com a finalidade de adquirir a área. O projeto foi aprovado em novembro, porém, com uma emenda que impediu o propósito inicial. A justificativa dos edis foi que não havia garantia de que o projeto enviado fosse para comprar a referida área. 

O fato gerou enorme pressão popular, principalmente de estudantes, afinal, o sonho de muitos estudantes de se tornarem engenheiros agrônomos estudando em Santo Augusto está nas mãos dos políticos. 

Na última semana, uma comitiva dos vereadores de Santo Augusto se reuniu com a reitora do IFFar Carla Comerlato Jardim em Santa Maria. Após esse encontro, foi divulgada notícia no site da Câmara de Vereadores, onde consta informação de que a reitora teria dito que “não havia urgência na aquisição das terras para o curso” e ainda, “que o curso de Bacharelado em Agronomia não fechará, sendo que, na pior das hipóteses, em não havendo a compra, a consequência seria a não abertura de turma nova em 2020”. 

Em entrevista à Rádio Querência na manhã desta terça-feira, 04, a reitora disse que foi mal interpretada pelos vereadores, e que os mesmos divulgaram informações que não foram ditas por ela. “Parece-me também que nossas palavras foram mal entendidas por alguns dos vereadores que estiveram conosco, e tive a oportunidade de ler algumas matérias que veiculam questões que não foram ditas por nós”. 

Levando em conta todo o trâmite burocrático que antecede o processo final, Carla frisou que há sim urgência para a transferência da área para a instituição, “evidentemente que, mesmo que todo o processo estivesse acontecendo sem esse conflito [...] Se a Câmara de Vereadores tivesse aprovado na íntegra a proposta do executivo, isso permitiria que o Executivo fizesse todo o procedimento para o leilão dos bens, arrecadação dos valores, e na sequência, a identificação de uma área que seja adequada às nossas necessidades, aquisição dessa área e transferência dessa área para o patrimônio do IFFar, evidentemente que isso não se daria em janeiro e fevereiro, foi exatamente isso que eu disse, e parece que isso foi entendido como se nós não tivéssemos pressa, mas temos sim, essa área tem que ser transferida ao longo desse ano de 2019, porque a não transferência vai acarretar possivelmente na descontinuidade da oferta”, pontuou. 

Área agrícola para o IFFar em Campo Novo

Quanto à oferta feita pelo prefeito de Campo Novo, Antônio Sartori, de ceder uma área para o IFFar, a reitora parabenizou a iniciativa, mas esclareceu que há muitas questões que devem ser levadas em consideração. “Eu quero saudar o Executivo daquele município pela iniciativa, mas a gente trabalha com essa lógica, de uma área próxima ao campus. Evidentemente nós não exigimos que a área seja lindeira - o ideal seria uma área lindeira-, mas nós sabemos que talvez isso impeça a aquisição, então precisamos ter uma área que seja o mais próxima possível do nosso campus, pela questão do deslocamento de pessoas, de maquinários, pela questão da estrutura de vigilância e de cuidado com a área”, disse. 

A reitora Carla concluiu reforçando a questão do prazo para que esse impasse seja resolvido, em virtude da avaliação do curso, que poderá ocorrer a partir de 2019. “Nós só abrimos o curso, porque havia o compromisso firmado entre os dois poderes e o IIFar do aporte dessa área. Do ponto de vista do processo de avaliação de cursos superiores, a partir da metade do curso ele já pode ser submetido a avaliação externa, e nós estamos falando do ano de 2019, e então aí está nossa necessidade e justifica a pressão da comunidade acadêmica para garantir aquilo que é um acordo estabelecida e com um único intuito que é assegurar a permanência do curso de agronomia”, finalizou. 

 

Nesta quarta-feira, às 08h30min, o Prefeito Naldo Wiegert estará concedendo entrevista à Rádio Querência, onde vai informar quais serão os próximos passos do Executivo para cumprir o acordo feito em 2015

 

Abaixo, você confere a entrevista na íntegra!

Mais Notícias

Enquete ver parcial

Você aprovou a escolha de Moro para ser ministro?