Geral

Animais abandonados causam transtornos à comunidade santo-augustense

5 de janeiro de 2016


Curta e Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Os inúmeros cães soltos nas ruas estão incomodando muita gente em Santo Augusto. Os prejuízos vão desde as lixeiras reviradas até o risco de ataques aos munícipes, fato já registrado no último ano. 

 

Diariamente os animais são vistos em todos os cantos da cidade. Nas redes sociais a comunidade reclama, mas como os cães não tem donos e o município não possui um canil para abrigá-los, de nada tem adiantado. 

 

Nesse sentido, nossa reportagem entrou em contato com a Vigilância Sanitária, para saber qual a orientação e se há alguma alternativa sendo estruturada para solucionar o problema. Na ocasião, fomos informados que diariamente muitas reclamações chegam à Vigilância, tanto de abandono como de maus-tratos, e a única medida é a identificação e o aconselhamento, para que os proprietários cuidem dos seus animais. 

 

Os moradores do interior do município também relatam que é comum pessoas passarem de carro e deixarem caixas com filhotes nas proximidades das casas ou as margens das rodovias. No perímetro urbano, relatos indicam que o Cemitério João XXIII é tido como alvo na hora de abandonar animais. Pessoas que residem próximo ao local acolhem esses animais e utilizam a Rede Social Facebook ou até mesmo as rádios locais para buscar famílias a fim de adotá-los. 

 

A Médica Veterinária da Prefeitura de Santo Augusto, Cândida Lodi Faccio conversou com a nossa reportagem e disse que há a ideia de implantar “um projeto de castração e/ou um centro de zoonose” no município, mas para isso se tornar realidade, um projeto deve ser elaborado e aprovado na Câmara de Vereadores. 

 

Em contato com a Secretaria de Meio Ambiente e Urbanismo, conversamos com a Diretora da divisão do Meio Ambiente, Cleusa Strada, ela nos informou que está sendo articulada a realização de uma campanha de castração/adoção, mas para isso se tornar realidade são necessários recursos e parcerias, e devido a isso, não há data prevista para essa ação ser realizada. 

 

Os animais que estão nas ruas de Santo Augusto, em grande maioria, são abandonados. E abandonar animal é crime. Por tanto entramos em contato com a Polícia Civil (PC) e a Brigada Militar (BM) para saber se a comunidade santo-augustense costuma denunciar esses fatos e a resposta foi negativa. De acordo com o Policial Civil Aljares Luiz Machado, na delegacia “são raras as denúncias nesse sentido”. 

 

Confira o que diz o texto da Lei:

"Artigo 32 da Lei Federal nº. 9.605/98

È considerado crime praticar ato de abuso, maus-tratos, ferir ou mutilar animais silvestres, doméstico ou domesticados, nativos ou exóticos.

Pena – Detenção de 3 (três) meses a 1 (um) ano e multa.

Parágrafo 1°. – Incorre nas mesmas Penas quem realiza experiência dolorosa ou cruel em animais vivos, ainda que para fins didáticos ou científicos, quando existirem recursos alternativos.

Parágrafo 2°. – A Pena é aumentada de 1 (um) terço a 1(um) sexto, se ocorrer a morte do(s) animal(s)."

Os atos de maus-tratos e crueldades mais comuns são:

abandono;
manter animal preso por muito tempo sem comida e contato com seus donos/responsáveis;
deixar animal em lugar impróprio e anti-higiênico;
envenenamento;
agressão física, covarde e exagerada;
mutilação;
utilizar animal em shows, apresentações ou trabalho que possa lhe causar pânico e sofrimento;
não procurar um veterinário se o animal estiver doente;

 

Isto serve para os animais domésticos mais comuns como cães, gatos e pássaros, também cavalos usados em trabalho de tração, além de animais criados e domesticados em sítios, chácaras e fazendas. Animais silvestres estão inclusos nessa Lei, possuindo também Leis e Portarias próprias criadas pelo IBAMA.

 

Dpto. Jornalismo RQ
Postado por: Maira Kempf

Os comentários estão desativados.

error: Conteúdo protegido !!!