Santo Augusto

Implantado sistema de centralização da merenda escolar em Santo Augusto

28 de agosto de 2019 A mudança de sistema ocorre para garantir um controle de qualidade maior e mais rigoroso dos alimentos que estão sendo ofertados aos alunos!


Curta e Compartilhe
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

 

 

A Secretaria Municipal de Educação e Cultura implantou neste mês de agosto uma nova dinâmica para produção e distribuição da merenda escolar nas escolas municipais. Trata-se de um sistema de centralização da merenda escolar.

Em entrevista à Rádio Querência, a Secretária Zaira Rotili explicou que a SMEC contava com uma central que recebia e distribuía os alimentos para as oito escolas municipais, onde eram elaborados os lanches. A partir de agora, essa central de alimentos, denominada Unidade de Alimentação e Nutrição, conta com uma cozinha totalmente planejada e organizada para produzir toda a merenda escolar. Essa merenda depois de pronta é distribuída para as escolas. A Unidade de Alimentação e Nutrição fica em anexo à cozinha da Escola Municipal Antonio Liberato.

A mudança de sistema ocorre para cumprir determinações do Ministério da Educação – MEC, e também para garantir um controle de qualidade maior e mais rigoroso dos alimentos que estão sendo ofertados aos alunos, pontuou Zaira. De acordo com a secretária as cozinhas das escolas não possuem alvará sanitário e o município não teria condições de reformar as nove cozinhas. Questionada se essa mudança afetará o quadro de servidores, Zaira explicou que talvez alguns contratos temporários possam não ser renovados, porém, essa questão ainda está sendo estudada.

Taize Rodrigues, Nutricionista da SMEC, responsável pela Unidade de Alimentação e Nutrição, explicou que finalizadas as preparações, os alimentos são colocados em caixas térmicas e levados até as escolas, aonde, se houver necessidade, é feita a finalização de alguns alimentos, como saladas, batidas ou chás.  Segundo ela, as caixas mantém o alimento aquecido por até 6 horas e a entrega ocorre em no máximo uma hora. Trata-se de uma alimentação balanceada e com qualidade, visando também diminuir o índice municipal de crianças com sobrepeso, que atualmente é de 10 a 25%, disse.

Quanto à restrição de alimentos para servidores e professores, a Secretária esclareceu que a alimentação é adquirida com recursos federais e municipais e voltada exclusivamente para os alunos. Portanto, legalmente os servidores não têm direito a lanche. “Estamos cumprindo a Lei”, concluiu a secretária.

Acompanhe todas as informações no vídeo!

Os comentários estão desativados.

error: Conteúdo protegido !!!